segunda-feira, julho 24, 2006

acesso ao ensino superior para jovens com mais de 23 anos

que raio de merda é esta, de um sujeito sem ter o ensino secundário terminado poder aceder ao ensino superior, desde que tenha mais de 23 anos?!
mas, está tudo doido?! que raio de processo de avaliação de um candidato é este: "
1) análise do currículo escolar e profissional do candidato e apreciação das competências adquiridas pela experiência profissional, através da realização de uma entrevista; 2) uma prova de compreensão e produção de linguagem escrita especialmente adequada para admissão e progressão no curso"?!
parece-me que isto contraria um ensino de qualidade, tendencialmente gratuito e a igualdade de oportunidades... com que então, alunos de primeira e alunos de segunda; alunos que "passam as passinhas do Algarve" a estudar para entrar na Universidade, e outros que esperam fazer os 23 anos... e ainda dizem que Bolonha não é um compadrio que respeita e tem como base políticas da Organização Mundial de Comércio e do Fundo Monetário Internacional... santa ignorância!

5 comentários:

Tiago Alexandre disse...

Aqui o importante são os números...! há de haver aí algum estudo estatistico que dentro em breve vai dzer que nós somos um pais qualificado....
Mais uma vitória do socialismo, mais um mecanismo para se manterem as estruturas desorganizadas megalómonas e mal geridas que o processo de bolonha em certos aspectos ameaça! Haja professores!

Nuno da Costa Ferro disse...

E será que um aluno que por uma qualquer razão ficou com uma ou duas disciplinas penduradas há 5 anos, que tem estado a trabalhar e sendo bom técnicamente não tem direito a uma segunda oportunidade de ingressar no ensino superior? Não nos esqueçamos que o canudo muitas vezes vale mais do que o Curriculum Vitae.

Tania Mealha disse...

E será que um aluno que nem sequer tenha completado o 10º ano, merece ingressar no ensino superior, efectuando apenas uma prova de compreensão escrita?! Ou mesmo o que apenas não fez 2 cadeiras do 12º ano, merece entrar na Universidade sem fazer os famosos exames nacionais?! Que raio de igualdade de direitos é esta?! Seré isto justo?! Não me parece...

Nuno da Costa Ferro disse...

A questão é que não é apenas uma prova de compreensão escrita, é necessário apresentar curriculum na área, passar numa entrevista e na realidade são dois exames que tem de se fazer. Não sendo grande conhecedor da matéria, estou em crer a única diferença disto para os antigos "Ad-hoc" está na idade: dos 25 passou para os 23.
Se não desvirtuarem o sistema esta medida parece-me importante para a qualificação de quadros, que na realidade já têm experiência mas não têm o canudo. Injusto seria obrigar alguém que deixou os estudos há uns quantos anos a concorrer em exames sobre matéria que outros estiveram a estudar até há poucos dias.

João Miguel Melo disse...

E se formos a pensar na percentagem de alunos que passou esses exames apenas a copiar e com cabulas e nem sequer mereciam estar na escola ? Não se esqueçam que o ensino de hoje em dia é muito mais simples do que antigamente. Eu acho isto muito bem porque muita gente até nem tem oportunidade para seguir os estudos devido a dificuldades económicas. Pensem que muitos dos alunos do ensino superior nem sequer aproveitam o facto de poderem ter um grau académico. Acho isto uma boa oportunidade para aqueles que queriam estudar e não puderam.