segunda-feira, junho 12, 2006

Ignorar ou não ignorar, eis a questão

Tinhamos que discordar nalguma coisa, senão não tinha piada!

E o que continuamos a fazer? ignoramos essas vidas deitadas às ruas e não tentamos sequer possibilitar que possam minimizar o absurdo da sua profissão?

Não digo para pintarmos no chão quadrados e passarmos licenças. Mas legalizar as casas onde a prostituição seja encarada de uma forma livre parece-me salutar.

Apesar de dircordar por completo com a prostituição e derivados, não a podemos ignorar. Porque se a ignorarmos estamos a ignorar vidas humanas.

E se eu fosse o Chico da Fancaria, diria: Não podemos ignorar uma minoria. E eu, como bloquista demagogista que sou, não posso jamais ignorar uma minoria. Afinal, é daí que vêm os meus votos!