sexta-feira, maio 26, 2006

Rir é o melhor remédio

Uma universitária andava no quarto ano da Faculdade. Como é comum no meio Universitário, pensava que era de esquerda e estava a favor da distribuição da riqueza.
Tinha vergonha de que o seu pai fosse de direita e, portanto, contrário aos programas socialistas e seus projectos de lei, que davam benefícios aos que não o mereciam e impostos mais altos para os que tinham maiores rendimentos.
A maioria dos seus professores tinha afirmado que a filosofia dele estava equivocada.
Por tudo isso, um dia, decidiu enfrentar o pai.
Falou com ele sobre o materialismo histórico e a dialéctica de Marx, procurando mostrar que ele estava errado, ao defender um sistema tão injusto como o da direita.
No meio da conversa, o pai perguntou:
Como vão as aulas?
Vão bem, respondeu ela. A média das minhas notas é 18, mas tenho muito trabalho para conseguir estas notas. Não tenho vida social, durmo pouco, mas vou em frente.
O pai prosseguiu:
E a tua amiga Sónia, como vai?
Ela respondeu, com muita segurança:
Muito mal. A média dela é 6, principalmente, porque passa os dias em shoppings e em festas. Pouco estuda e, muitas vezes, nem sequer vai às aulas. De certeza que vai chumbar o ano.
O pai, olhando nos olhos da filha, aconselhou:
Que tal se tu sugerisses aos professores ou ao coordenador do vosso curso, para que sejam transferidos 6 valores das suas notas para as da Sónia. Com isso, vocês duas teriam a mesma média. Não seria um bom resultado para ti, mas convenhamos, seria uma boa e democrática distribuição de notas, para permitir a futura aprovação de vocês as duas.
Ela, indignada, retrucou:
Por quê?! Eu trabalhei muito para conseguir as notas que tive, enquanto a Sónia passeou pelo lado fácil da vida. Não acho justo que todo o trabalho que tive seja, simplesmente, dado a outra pessoa.
O pai, então, abraçou-a carinhosamente, dizendo:
BEM-VINDA À DIREITA!!!!

Obrigado Ricardo A. és o maior!

8 comentários:

Tania Mealha disse...

Desculpa dizer-te, mas este exemplo não tem nada que ver com direita ou esquerda. Até porque a esquerda não defende a "caridadezinha", nem é apologista de que quem não contribui para a sociedade tire dela "recompensas". Para a esquerda marxista o trabalho é o único garante do homem, logo quem não transforma a natureza por preguiça está tramado.

Tiago Alexandre disse...

Bem vinda à direita, camarada!

Anónimo disse...

Vamos todos trabalhar a terra!!!

Tania Mealha disse...

DIREITA NUNCA

Anónimo disse...

Decididamente gosto desta miuda....

hserejo disse...

e em caso de dúvida virar sempre á esquerda!!!!
mas vítor essa infancia foi assim sempre tão ríspida que não possas distinguir solidariedade de caridade, mérito próprio e a exploração do outro...?
Medita que vais ver que a vida não é feita de preto e branco, mas sim de muitos cinzentos!!!!

Sareta disse...

Agora imagina que a Sónia tem um filho, o Sérgio e o puto até é um barra na escola... mas devido às baldas da Sónia nos tempos de estudante(como dizes), não tem a possibilidade de pagar as propinas e até dava-lhe mais jeito que o puto trabalhasse para ajudá-la nas despesas de casa.
Será justo para o Sérgio pagar pelas opções da mãe enquanto jovem?

Vítor Palmilha disse...

será justo sermos nós todos a pagar pelas opções da Sónia???